Envelhecimento ativo e bem sucedido, Atividade física, Dieta saudável…

gothsonn 23 de março de 2018 Nenhum comentário

Envelhecimento ativo  e bem sucedido, Atividade física, Dieta saudável…

A proporção de pessoas com 60 anos ou mais, está crescendo rapidamente em todo mundo. Em 2025, existirá um total de aproximadamente 2 bilhões de pessoas com mais de 60 anos, sendo 80% nos países em desenvolvimento.

Este rápido processo de envelhecimento populacional traz muitos desafios. Um dos maiores é permitir que essa fase possa ser vivida como uma experiência positiva. A Organização Mundial da Saúde adotou o termo “envelhecimento ativo”, para expressar o processo de conquista dessa visão. Envelhecimento ativo é o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida, à medida que as pessoas ficam mais velhas, e permitir que elas percebam seu potencial para o bem-estar físico, social e mental ao longo de toda a vida.

A palavra “ativo”, refere-se à participação contínua nas questões sociais, econômicas, culturais, espirituais e civis, e não somente à capacidade de estar fisicamente ativo, ou de fazer parte da força de trabalho. Essa visão permite quebrar o paradigma de que o idoso que não realiza mais uma atividade produtiva remunerada, ou que apresenta alguma limitação física, não é mais capaz de desempenhar um papel de participação ativa na sua comunidade, seu domicílio e na sociedade de forma geral.

Resultado de imagem para envelhecimento bem sucedido

Isso quebra barreiras e permite que as pessoas mais velhas, que já se aposentaram ou que apresentam alguma doença, ou necessidade especial possam continuar a contribuir ativamente para seus familiares, companheiros, comunidades e países.

É fundamental manter, respeitar e estimular a autonomia de quem tem mais de 60 anos, ou seja, a habilidade de controlar, lidar e tomar decisões pessoais, sobre como se deve viver diariamente, de acordo com suas próprias regras, preferências e sua independência. Valorizar o indivíduo é vê-lo como alguém que pode, deve ter participação ativa na sociedade, criar condições para que seja protagonista de sua própria vida, e que ele próprio também se veja assim.

Dicas que podem nos ajudar na busca por envelhecimento ativo e com qualidade de vida:

Genética: Ainda não se sabe exatamente o peso da genética na longevidade. Mas ela conta. Ter avós que viveram 90 anos pode ser um indicativo Dieta saudável maior para se cuidar e chegar com saúde aos 100 anos. A genética explica porque algumas pessoas consomem gordura, outros alimentos pouco saudáveis e continuam com muita saúde por muitos anos.

Atividade física: Este é o fator de envelhecimento saudável número 1, já que para a genética é preciso contar com a sorte. Exercícios aeróbicos e resistidos devem ser praticados sempre com supervisão de profissionais.

Estímulos cognitivos: Vale tudo: jogos, leitura, música, cuidar dos netos, viajar, ser voluntário, criar algo, ser produtivo! É preciso se manter ativo socialmente.

: valorizar o consumo de peixe, frutas, verduras, legumes e cereais, e limitar o de carnes vermelhas e laticínios, a dieta evita os quilos extras que vêm com o envelhecimento e reduz os riscos de doenças cardiovasculares.

Resultado de imagem para envelhecimento bem sucedido

Vida emocional estável: As preocupações e os problemas da vida têm um peso alto na longevidade. Estudos mostram que ter uma boa vida em família, tem relação com a longevidade. Ter um casamento estável, baseado em uma relação de muito amor e confiança, é uma característica comum entre as pessoas longevas. A solidão aumenta risco de depressão e incapacidades.

Controle rigoroso de doenças degenerativas:
Os problemas cardiovasculares e o câncer são as doenças que mais matam no mundo. Além de cuidados com a alimentação e a prática de atividades física, hábitos como o álcool e o fumo também são fatores de risco. Além disso é necessário a realização de exames preventivos regulares.

Fonte: World Health Organization – Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

Raquel Loiola – Geriatra – CRM/MA 9760| RQE 3090

Tag :